5 coisas que precisa de saber antes de emigrar

April 3, 2016


Hora do ir?

Quem me segue desde do início sabe que quando criei este blog ainda vivia em Portugal e que ainda nem sonhava numa mudança tão drástica.

Foi de repente. Aquele fim de ano de 2013 e o ano de 2014... foi realmente incrível em emoções, creio que nem sei bem como vivi tudo isso. Mas é tal coisa, a nossa capacidade de superação é bem maior do que aquela que possamos imaginar, temos realmente uma grande força de adaptação.

Tinham passado 12 anos... 12 anos desde da minha última (grande) mudança. De França para Portugal, com pouco mais de 18 anos. Já na altura tinha sido difícil. Deixei para trás os meus pais e o meu irmão (foi muito doloroso), além de todo o meu berço, amigos, referências, língua... Mas na altura o sentimento de aventura foi incrível e vivi-o da melhor maneira. 

Amo Portugal. Amava a minha vida. Era realmente feliz. Fui construindo o meu novo berço. Adaptei-me a 100% à língua mãe. Tinha as minhas grandes amigas. Os meus lugares. O meu carro. Um trabalho a parte-time (uma vez que naquele ano fiquei sem colocação). A minha casa. E tudo aquilo que fazia parte de mim. Sabia que mais tarde ou mais cedo, teria de dizer adeus ao meu Algarve, mas sempre pensei que era mais a norte de Portugal e não mais à norte da Europa. 

Mas assim foi... 
Pedida em casamento a semanas... Uma proposta de trabalho do noivo... para rumar até à Alemanha. E assim foi com uma tomada de decisão a dois. Tinha a certeza e ainda tenho que é a dois que vivemos, que construímos a nossa vida, que devemos remar na mesma direção, eram mais de 10 anos juntos! Somos UM!

Foi um misto de sentimentos... Fui vivendo o momento, sem pensar sobre tudo um pouco. Mas é claro que sempre foi com a ideia de - é temporário.

Março 2014, foi o mês da minha vinda aqui à Alemanha. Julho casava... Adrenalina? Não me faltou nem um pouco. 

Foi estranho, muito estranho... Graças às tecnologias fui amenizando o sofrimento da saudade... Um eterno obrigada aos meus pais, ao meus irmãos e às minhas amigas (Marisa, Vânia e Lurdes) que estiveram sempre comigo neste momento de maior solidão. 

E com toda esta experiência sei que posso partilhar algumas coisas convosco. Sei que quando emigrei, havia uma grande onda de emigração, hoje em dia, não sei como está a situação em Portugal. Mas a verdade é que o povo português é um povo migratório... Mas tenham cuidado, não o façam de qualquer maneira.

_______________________

Por isso partilho 5 dicas essenciais que deve considerar antes de deixar o vosso país:

Ponderar
A ideia de emigrar é muitas vezes errada. Ouvimos lá fora os valores estrondosos de certos salários, mas a verdade é que são números. É claro que quem vive no estrangeiro ganha mais, mas infelizmente não é só isso que deve olhar. Os descontos são imensos. As rendas são bem mais caras, a alimentação também é. Os seguros de saúde, pelo menos aqui na Alemanha é obrigatório pagar uma taxa de saúde todos os meses. Fora aqueles 11% por sermos católicos (temos lugar no céu)!! 
Até para ter um cão paga anualmente aqui.
Depois deve pensar nas viagens que comprar para viajar até Portugal, para matar a saudade, pelo menos uma vez por ano.
Ah e nunca venham sem um trabalho certo, pelo menos um do casal deve manter a segurança!! 

Poupança
É importantíssimo terem um bom pé de meia antes de emigrar. São imensas as despesas iniciais. Desde da primeira ida ou do transporte dos vossos bem pessoais.
Depois é preciso uma caução da renda. Faça uma estimativa, se a renda for de 600€ (valor bem abaixo) tem de o multiplicar por 3. 
No nosso caso, tivemos de comprar tudo! As casas alugam-se aqui vazias, sem móveis e nem a cozinha tinha! 
Não venham viver para o estrangeiro sem condições ou pior do que aquelas que tinha. Já custa estando bem, quanto mais a viver mal. A vida não é uma sobrevivência! 

A língua
A língua é fundamental, ajuda sem dúvida a adaptar-se ou não. Se puder antes de emigrar tirar um curso da língua será uma grande vantagem, até porque em Portugal os cursos são mais baratos. Mesmo ao nível do IEFP é possível inscrever-se para participarem num curso gratuitamente. 
No meu caso já não deu tempo.
O inglês ajuda claramente, mas nem sempre é visto com bom olho, além de nem toda a gente falar, nas finanças ou na câmara municipal.

Ajuda
É difícil tratar de uma nova vida sozinho. A cidade é nova. A língua por vezes não é falada. Não sabemos dos processos a tratar. Onde é o serviço de gás, de eletricidade, as finanças... 
Por isso, é importante que tenham alguém que o possa ajudar. Um familiar, o empregador ou uma comunidade portuguesa da região. 
No nosso caso não foi preciso pedir ajuda à comunidade, mas mesmo assim, procurei o contacto na internet e assim que cheguei fui conhecer.

Aqui quero avisar-vos para o tipo de ajuda que pode ter. Ainda hoje, ouvimos casos de pessoas que pensavam ser ajudadas e que no fim de contas ficaram sem teto e ajuda. E mesmo com familiares acontece. Tenham muito cautela. 

Saudade
Essa palavra tão nossa, que bate de forma intensa nos nossos corações, quando vivemos longe de quem amamos, do nosso país, das nossas origens, da nossa língua... 
Tudo é saudade. 
O cheiro do churrasco, da sardinha, a música do Quim Barreiros, o Fado, a musicalidade do português, os beijinhos, o sorriso, o café, o bacalhau, o pastel de natal, o bom dia.... 
Tudo é saudade.
É preciso pensar neste sentimento que o poderá atormentar. Emigrar sozinho sem dúvida que será difícil. Quando o fazemos em casal ou com mais família já temos pilares, ajuda. 
E quem pensar em emigrar com filhos... por favor, vejam e revejam as condições. Que por aqui sei de casos que doem!! 
Viver no estrangeiro, nunca foi coisa fácil. É preciso coragem e força... 
Ponderem os pós e os contras.... e veja se realmente valerá a pena.

_____________________

É claro que emigrar é uma experiência incrível. No meu caso a Alemanha surpreendeu-me pela positiva, em todos os aspetos. É um bom país, muito avançado, com regras e com respeito. Mas se me perguntassem:
E Portugal?
Era já!!


Latest Instagrams

© Cosmopolit Girl. Design by Fearne.